Este website utiliza cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao utilizar este website, você concorda com o uso de cookies, conforme descrito na nossa Política de Cookies. Você também poderá alterar suas preferências a qualquer momento através da nossa ferramenta de Preferência dos Cookies. Para informações de como tratamos seus dados pessoais, consulte a nossa Política de Privacidade.

FACHO - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela FACHO.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a FACHO não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a FACHO implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Cursos

- Psicologia

Informações Gerais

Formação de Psicólogo

Em 1979, a Faculdade de Ciências Humanas de Olinda - FACHO recebeu autorização para iniciar o curso de Formação de Psicólogos. Desde então, tem se prestado um excelente serviço à sociedade pernambucana, especialmente à olindense.

A FACHO tem como meta formar Psicólogos éticos e comprometidos com a transformação social e a promoção de saúde.

Através de uma formação integral buscamos oferecer uma formação acadêmica sólida que desperte a sensibilidade para promoção dos direitos humanos e da responsabilidade social.

Vagas e Turnos

São 175 vagas anuais, sendo 60 (sessenta) vagas na primeira entrada, no período da tarde e da noite.

O período vespertino funciona das 13h30 às 18h, de segunda a sexta-feira. O período noturno funciona das 18h15 às 22h, também de segunda a sexta-feira, com aulas em alguns sábados.

Salas e Laboratórios

Oferecem aos alunos um ambiente aconchegante e confortável, possibilitando um clima agradável, são espaçosos, climatizados e equipados com multimídias conectadas à internet.

Contamos também com uma moderna biblioteca adequada às atividades individuais e em grupo.

O curso de Psicologia

A escolha profissional pela psicologia é muito promissora para aqueles que almejam trabalhar em prol da melhoria da qualidade de vida.

A formação de Psicólogo em atendimento às exigências do Ministério da Educação tem um caráter generalista, podendo atuar nas: Escolas, Hospitais, Organizações, Clínicas, Órgãos Jurídicos, Comunidades, Esporte; além da possibilidade de ser um pesquisador.

A licenciatura em psicologia é outra possibilidade de formação em psicologia oferecida desde 1973. O Licenciado em Psicologia é um profissional habilitado para o ensino em Cursos Profissionalizantes do Normal Médio.

Coordenação do Curso


Coordenadora: Profa. Dra. Karla Luna de Menezes.

Vice-Coordenadora: Profa. Ma. Verônica Chaves Carrazzone

Fale com a coordenação do Curso: coordenacaopsicologia@facho.br

Planos de Disciplinas do Curso de Psicologia - 2018 / 2021

Aqui você pode adquirir seus Planos de Disciplinas referente ao curso de Psicologia.

Download

Planos de Disciplinas do Curso de Psicologia - 2007 / 2017

Aqui você pode adquirir seus Planos de Disciplinas referente ao curso de Psicologia.

Download

Planos de Disciplinas do Curso de Psicologia do 1º ao 5º Período - 1973 / 2006

Aqui você pode adquirir seus Planos de Disciplinas referente ao Curso de Psicologia.

Download

Planos de Disciplinas do Curso de Psicologia do 6º ao 9º Período - 1973 / 2006

Aqui você pode adquirir seus Planos de Disciplinas referente ao Curso de Psicologia.

Download

Planos de Disciplinas do Curso de Psicologia do 10º, 11º, Eletivas e Licenciatura - 1973 / 2006

Aqui você pode adquirir seus Planos de Disciplinas referente ao Curso de Psicologia.

Download

Perfil de Egresso

Conheça o perfil do aluno egresso

O profissional que conclui o Curso de Psicologia nesta Faculdade, na habilitação Formação de Psicólogo, deverá estar qualificado para:

- Assumir uma postura científica frente ao conhecimento da Psicologia, avaliando crítica e continuadamente sua prática;

- Identificar as bases epistemológicas que fundamentam a sua ação profissional;

- Conhecer e aplicar adequadamente teorias e métodos da Psicologia;

- Compreender, utilizar e avaliar as possibilidades de intervenção profissional em diferentes contextos, contemplando valores éticos, morais e sociais;

- Identificar e diagnosticar problemas e necessidades da comunidade, intervindo na sua solução;

- Mostrar-se competente para as ações necessárias diante do inusitado, do novo, utilizando-se criticamente das teorias de sustentação de suas práticas, de modo a criar novas possibilidades para um fazer comprometido com as questões apontadas pelo sistema social e com a promoção da cidadania;

- Promover a saúde mental no conjunto social, valorizando a necessidade de uma análise crítica do contexto histórico, sócio-econômico e cultural, reconhecendo suas variáveis importantes, para que se possa entender a organização do comportamento nacional e, mais especificamente, do regional;

- Desenvolver um trabalho coletivo, no sentido de um “fazer junto”, coerente com o contexto profissional, onde se faz necessária uma atuação interdisciplinar, considerando, no entanto, sua função específica;

- Atuar com perfil generalista nos processos educacionais, psicossociais, clínicos, de avaliação e em prevenção e promoção de saúde;

- Contribuir para a promoção da saúde e transformação da realidade no seu campo de atuação; Refletir ética e criticamente sobre a psicologia como ciência e profissão;

Download

PPC

Atenção

Faça o Download do Projeto Pedagógico do Curso de Psicologia.

Download


Matriz Curricular

Confira

Clique e faça o download da Matriz Curricular.

Download


Corpo Docente

Adilson de Castro Chaves

Possui graduação em Engenharia pela Universidade Federal de Pernambuco (1982), graduação em licenciatura em química pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1979), Especialização em metodologia do ensino superior pela fundação do ensino superior de Olinda, Especialização em ensino de química pela universidade estadual do ceará e Doutorado em Engenharia Química ( Biotecnologia) pela Universidade Técnica de Lisboa (2000). Atualmente é Professor da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda(FACHO) com as disciplinas de Matemática Financeira e Gestão Financeira. Professor adjunto da Universidade de Pernambuco(UPE) com as disciplinas de Bioquímica, Microbiologia, Biossegurança e Biofísica. Avaliador de curso e institucional do INEP / MEC e Professor do banco de dados do INEP para elaboração das questões do ENADE. Possui vivência em coordenação de Concursos Públicos atuando como coordenador Pedagógico da SISMETA. É membro do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável (SUSTENTE). Tem experiência na área de Biotecnologia, com ênfase em Bioquímica, Biofísica, Microbiologia, Biossegurança, Matemática, Metodologia Científica, Metodologia da Pesquisa e Seminários de Monografia. Atuando principalmente nos seguintes temas: Schistosoma mansoni, Purificação de Proteínas de interesse Imunológico, Ecologia de Sistemas Marinhos, Proteínas Recombinantes e em Educação no Ensino de: Química, Bioquímica, Matemática Básica, Matemática Financeira, Estatística, Administração Financeira, Biofísica, Microbiologia, Ecologia, Metodologia da Pesquisa, Metodologia Científica e Orientação de trabalho Científico.


Currículo Lattes: http:// http://lattes.cnpq.br/8843413391780278

Ana Cláudia Alexandre da Silva

Mestre em Psicologia pela UFPE; Psicóloga; atua nas áreas da psicologia clínica, hospitalar e organizacional; Consultora Organizacional em Eficácia Profissional - por Valença & Associados - Empresa conveniada ao SYMLOG Consulting Group ? San Diego, USA; Professora Universitária: Cursos de Graduação e Pós-Graduação, na Área de Psicologia, Recursos Humanos, Gestão Estratégica, de Pessoas e Educação; Coordenadora do Curso de Psicologia, Coordenadora do Núcleo de Apoio ao Discente (para alunos com necessidades especiais), Auditora Interna do Sistema de Gestão da Qualidade; Presta consultoria na Área de Recursos Humanos, Gestão Estratégica e de Pessoas para empresas como: AMBEV, SESI, MMartan, FROMPET, ALMEC, Iogurte ISIS, Cafeteria São Braz, Shopping Paço Alfândega, Tron Controles Elétricos, MIRATEC, MOVITORQUE, Carol Esportes, Thot Brasil, Diaguiar Mármores e Granitos, Líber Terceirização de mão-de-obra, PROLEV do Brasil, CHESF: Recife, Salvador, Sobradinho, Teresina, Campina Grande, Maceió, Natal, Fortaleza; Grupo Cesar: Estofados Cesar e Colchões Anatomic, dentre outros.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8472176536161061

Ana Izabel Gomes Corrêa

Pós graduação em Metodologia do Ensino Superior (1997).Possui graduação em Bacharel em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1971) e graduação em Formação de Psicólogo pela Universidade Católica de Pernambuco (1972). Coordenadora da Clínica-escola, supervisora em Psicologia Clínica e Professora da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicanálise.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4626914064478289

Ana Paula Monteiro Ferreira Ximenes

Graduada em Psicologia pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR (1993) e em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (1992); Especialista em Psicopedagogia (UPE/1999). Possui Mestrado (2005) e Doutorado (2010) em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental pela Faculdade Pernambucana de Saúde - FPS (2016). Membro do Núcleo Docente Estruturante - NDE do curso de Psicologia da Facho desde 2010. Foi pesquisadora do Núcleo de pesquisa da Argumentação (NupArg) cadastrado no Diretório de Grupos de pesquisa/CNPq sob a orientação da profª Drª Selma Leitão Santos. Foi Professora substituta do Departamento de Psicologia e Orientação Educacional - DPOE-UFPE. Sua atividade de pesquisa focaliza os processos de ensino-aprendizagem na construção do conhecimento; e a Terapia Cognitiva Comportamental. Membro da Associação de Terapias Cognitivas do Estado de Pernambuco ATC-PE (gestão 2015-2018). Docente de cursos de Pós Graduação. Terapeuta Cognitivo Comportamental (FPS - 2016).


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5485269587486269

Eliane de Albuquerque Silva

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda(1985). Atualmente é Psicóloga Escolar do Colégio Imaculado Coração de Maria - Olinda. Tem experiência na área de Psicologia. (Texto gerado automaticamente pela aplicação CVLattes)


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3652210150972135

Fabiane Mônica da Silva Gonçalves

Possui graduação e licenciatura em psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda, especialista em Psicologia Clínica pela FACHO e mestre em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE. Faz parte do grupo de estudo e pesquisa: Narrativa, cultura e desenvolvimento vinculado ao departamento de psicologia cognitiva UFPE.Compõe o Núcleo de Desenvolvimento Estrutura do curso de Psicologa da FACHO. Professora adjunta da Faculdade Ciências Humanas de Olinda bem como nas Faculdades Integradas da Vitória de Santo Antão FAINTVISA. Leciona as disciplinas de Metodologia do Estudo; Metodologia Científica; Metodologia de Pesquisa Clínica; Trabalho de Conclusão de Curso; Desenvolvimento; Processos Psicológicos Básicos; Processos Cognitivos;Psicologia da Educação; Introdução à Psicologia; Dinâmica de Grupo; Supervisora de Estágios em Licenciatura em Psicologia I e II. Também é Psicóloga clínica infantil com ênfase nos Transtornos Invasivos do desenvolvimento


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/0711429774979715

Felipe Gustavo Soares da Silva

Professor da Faculdade de ciências humanas de Olinda (FACHO).Doutorando em Filosofia pelo programa de doutorado integrado UFPE-UFPB-UFRN. Mestre em Filosofia pela UFPE, especialista em didática (FALC) e em educação, pobreza e desigualdade social (UFPE). Licenciado (UFPE) e Bacharel (UNICAP) em Filosofia.Tem interesse pelo estudo da Filosofia antiga e pelo estudo da ética do cuidado e suas aplicações. Participa do grupo de pesquisa Dynamis: A filosofia antiga e seus desdobramentos, com o estudo da língua grega e leitura das obras platônicas. Ademais interessa-se pelo debate em torno da formação humana e da educação que destaque o papel do sujeito educado.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4773768420852292

Fernando Rodrigues de Lima Júnior

Doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica (PPGPSI) da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), vinculado à linha de pesquisa Psicopatologia fundamental e Psicanálise e bolsista pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) - ingresso em 2021. Mestre em Educação, Culturas e Identidades pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e pela Fundação Joaquim Nabuco (FUNDAJ) - conclusão: 2020. Especialista em Ações Interventivas em Psicologia Clínica - conclusão em 2020 - e Bacharel em Psicologia - conclusão em 2017 - pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (FACHO). Docente do magistério superior, vinculado ao Departamento de Psicologia da FACHO e ao Departamento de Psicologia da Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE). Estudante-pesquisador membro do Laboratório de Psicopatologia fundamental e Psicanálise - UNICAP / CNPq. Pesquisador membro do grupo de pesquisas Desenvolvimento Educacional de Multimídias Sustentáveis (DEMULTS) - UFRPE / CNPq. Afinidades de estudo e pesquisa: psicologia clínica e psicologia educacional, sob a ênfase ético-epistemológica da psicanálise lacaniana, transitando por temas relacionados à subjetivação, ao tempo-espaço da adolescência e às vivências virtuais e digitais no laço social contemporâneo.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2378445308939577

Frederico José Machado da Silva

Doutor em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (2015), atualmente é professor Titular e Coordenador do Curso de Letras da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (FACHO), professor colaborador do Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Também atua como professor Colaborador da Pós-Graduação em Literatura Brasileira da Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE). Possui graduação em Licenciatura Dupla em Letras Inglês Português pela Faculdade Frassinetti do Recife (2006) e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (2009). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria da Literatura, Literatura, Língua Portuguesa e literatura e ensino. Atua principalmente nos seguintes temas: teatro brasileiro do século XIX, romantismo brasileiro, cultura, realismo brasileiro, realismo mágico, e literatura latino-americana.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4677068057535979

Guiomar Marques Gouveia de Melo

Graduação de Formação em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1978), Licenciatura em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1979), Bacharel em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1977). Aperfeiçoamento em Teorias da Psicologia Clínica pela Universidade Federal de Pernambuco (1983). Mestrado em Psicologia Clínica, na área de Psicanálise e Psicopatologia Fundamental, pela Universidade Católica de Pernambuco (2001). Concursada pela Secretaria de Saúde da Prefeitura da Cidade do Recife (PCR) em 2003. Exerceu a função de psicóloga e supervisora de estágio em transtorno psíquico no CAPS José Carlos Souto de 2004 a 2013. Exerce a função de Psicoterapeuta Infantil na Policlínica Salomão Kelner desde 2014 pela Secretaria de Saúde da PCR. Professora convidada da disciplina Bioética e Humanização no Hospital do Curso de Pós-graduação em Psicologia Clínica Hospitalar da Faculdade Frassinete do Recife (FAFIRE). Professora titular da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda no Departamento de Psicologia e na Pós-graduação em Musicoterapia e Psicologia Jurídica . Experiência na área de Psicologia Clïnica, com ênfase no diagnóstico, tratamento e prevenção de transtornos psíquicos de crianças, adolescentes e adultos.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7390138279827208

Humberto Caetano Cardoso da Silva

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco (1999), Especialização em Computação com ênfase em Banco de Dados (2011), Mestrado em Gestão Empresarial pela Faculdade Boa Viagem - FBV/DeVry, aluno de Doutorado em Administração pelo PROPAD/UFPE. Atualmente é Diretor Técnico da Alliance3. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em segurança e governança de TI. Profissional certificado LPIC-1 (Linux Professional Institute), LPIC-2 (Linux Professional Institute), ITIL Foundation, ISO 27002 Foundation e COBIT 4.1 Foundation.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4594928852071554

Itamar Bezerra de Souza Filho

Mestre em Administração pela UFPE, especialista Gestão Empresarial, com mais de vinte e oito anos de experiência profissional na área de Tecnologia da Informação e Gestão, em empresas nos segmentos da indústria, comércio e serviços. Gerente de TI, Coordenador do Curso de Administração e Professor da graduação e pós-graduação da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda - FACHO. Forte atuação em gerenciamento de projetos de infraestrutura, implantação e administração de sistemas de gestão empresarial (ERP, WMS, PCP, BI e CRM), telecomunicações, liderança de equipes, gestão de contratos e redução dos custos operacionais utilizando as melhores práticas dos frameworks PMBOK, COBIT, BPM e ITIL. Consultor em gestão estratégica e tecnologia da informação na IOTB - Gestão & Tecnologia.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8740482567984691

Karla Fabiana Figueiredo Luna de Menezes

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (2002); especialização em Psicologia Hospitalar pelo GPH/PE, Especialização em Intervenções em Psicologia Clínica e mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco (2007). Oficial Técnica Temporária da Reserva do Exercito Brasileiro. Atualmente, docente do curso de graduação da UNIESP e dos cursos de graduação em Psicologia e pós graduação em Psicopedaogia da FACHO, psicóloga do projeto de assistência ao adolescente - da Prefeitura Municipal do Jaboatão dos Guararapes, Psicóloga do Estado de Pernambuco e Consultório particular. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Tratamento, Avaliação e Prevenção Psicológica. Doutoranda em Psicologia Clínica na Linha de Pesquisa de Família, Gênero e Interação Social, da Universidade Católica de Pernambuco.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4684670921390029

Ladjane de Fátima Ramos Caporal

Possui graduação em Licenciatura e formação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (1991), Mestre em Extensão Rural e Desenvolvimento Local, pela UFRPE, MBA em gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas (Brasília) e especialização em psicologia clínica de abordagem analítica pela Universidade Católica de Pernambuco . Atuou por mais de 5 anos na clínica de adulto, criança e adolescente e por mais de 20 anos junto a projetos de Desenvolvimento Rural Sustentável e Meio Ambiente no âmbito da cooperação internacional em vários estados do Brasil, também atuou como professora temporária da UFRPE. Atualmente é professora da graduação e pós-graduação da FACHO e supervisora de clínica da Facho


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2906870177522167

Luciano Borges de Souza

Doutor e mestre em Antropologia pela UFPE, especialista em docência do ensino superior, graduado em História, atua como Professor na FACHO e no Núcleo da EaD da UFRPE e como Coordenador geral dos museus de Olinda, dirigindo o Museu do Mamulengo. É autor do livro Carnaval do Recife: Um reinado de três dias, publicado pela editora Livro Rápido em 2009 e reeditado pela Bagaço em 2013. Artesão em Crochê reconhecido pelo PAB.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9060690061824728

Marcos Antonio de Andrade Nunes

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1978) e mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco (2007). Professor assistente da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda e Coordenador do curso de Especialização em Psicolgia Hospitalar e Saúde do EPSI-Pb. Diretor da SBPH gestão 2005-2007. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Clínica e Psicologia Hospitalar, atuando principalmente nos seguintes setores: formação hospitalar, supervisão clínica e hospitalar, docência e acompanhamento psicoterapêutico


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2219001278039884

Maria Ângela de Mello Cassundé Portella

Psicóloga pela UFPE. Mestre em Psicologia Cognitiva pela UFPE. Professora e Supervisora de Estágio da Graduação da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda. Professora da Pós-graduação em Psicomotricidade Relacional - ÍCONE. Professora Conteudista e Formadora da UAB- IFPE. Psicóloga Clínica. Psicóloga Escolar - Colégio APOIO.


Currículo Lattes: http:// http://lattes.cnpq.br/9268026060734278

Maria Dalvaneide de Oliveira Araújo

Doutoranda do Programa Ciências da Educação, da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Mestre em Educação pela UFPE ? Universidade Federal de Pernambuco (2008). Graduada em PEDAGOGIA pela FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE OLINDA (2003). Participa grupo de pesquisa da plataforma CNPq: Educação, Metodologias e tecnologias (EDUCAT). Desenvolve pesquisas e atividades de extensão focalizando Formação Humana e Cuidado de Si. Coordenadora do Curso de Pedagogia da FAREC.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1786061449664963

Maria de Fátima Cristina Poças Amorim Casa Nova

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (1984) e mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004). Professora de Graduação e Pós-Graduação nas seguintes Faculdades: Faculdade de Ciências Humanas Esuda, Faculdade de Ciências Humanas de Olinda, Faculdade dos Guararapes e LIBERTAS. Foi Coordenadora do Núcleo de Apoio Psicopedagógico na Faculdade dos Guararapes de 2010 a 2015 e Coordenadora de Clínica Escola Integrada FG Comunidade na Faculdade dos Guararapes de 2015 a 2018. Trabalhou onze anos como professora de Graduação na Universidade Luterana do Brasil - Ulbra/RS. Faz consultoria em Psicologia Organizacional e hoje é Consultora em Psicologia Educacional, Diretora da Clínica Humanythas. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, Educacional e Clínica, atuando principalmente nos seguintes temas: aprendizagem, educação, ensino e aprendizagem, grupo e escola. Atuando desde 1990 em Psicologia Clínica. Ênfase na Terapia de Família e Casal e atendimento a Terceira Idade.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4613041876167172

Maria de Fátima Mendonça Canedo

Possui graduação em Licenciatura e Formação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (1986) e mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco (2004). Curso de Especialização em Metodologia do Ensino Superior na Facho (1999). Consultório Particular de Psicologia. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Intervenção Terapêutica


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3042478100459450

Maria Marcia Pereira de Santana

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas ESUDA (1998).Trabalha na área de Psicologia Clinica e Avaliação Psicológica há 21 anos. Diretora da Empresa Ação Assessoria e Gestão em RH. Exercendo trabalho com Avaliação Psicológica, Supervisão, promovendo cursos e atendimento psicológico. Professora do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda- FACHO com as disciplinas: Avaliação em Psicologia e Psicodiagnóstico do Rorschach. Professora da Faculdade dos Guararapes- FG com as disciplinas Processos de Avaliação Psicológica, Instrumentos e Recursos da Avaliação Psicológica e Bases da Avaliação Psicológica. Professora orientadora de Estágio Supervisionado do Curso de Pós-graduação em Psicologia do trânsito pela Faculdade - ALPHA e na Pós-graduação de Terapia Cognitivo-Comportamental pela FACHO/OLINDA com a disciplina: Avaliação Psicológica na TCC. Cursou as disciplinas do Mestrado em Psicologia Clínica: Pesquisa em Clínica com Família (2017), Dinâmica do Grupo Familiar e Intervenções Clínicas e Intervenções na Clínica com Família (2018) na Universidade Católica de Pernambuco.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6098459391886316

Mércia Aparecida Souza de Melo Silva

Possui graduação em Psicologia - Bacharelado/Licenciatura e Formação pela Universidade Católica de Pernambuco (1972). Desde 1976 é professora assistente da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda. atuando principalmente nos seguintes temas: Psicologia Clinica (Aconselhamento Psicológico e Psicologia Analítica), Psicologia Social, Dinâmica de Grupos e Relações Humanas (Laboratório Terapeutico) e Dinâmica de Grupo e Relações Humanas II (Grupos Operativos e Psicoterápicos).


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5022006957734392

Philipe Aguiar Pacheco dos Santos

Possui graduação pela UNIBRATEC (2006). Atualmente é servidor publico federal na área de informática da Universidade Federal de Pernambuco e professor de Libras da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda, graduando em Letras-Libras pela UFPE e Especialista em LIBRAS pela Universo (2019). Tem experiência na área de Administração de rede, Suporte técnico e Suporte a ambiente virtual de aprendizagem (AVA), tradução e interpretação português - Libras - português e docência em introdução à Libras.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9775753908353739

Rafael Sampaio Octaviano de Souza

Possui graduação em Ciências Biológicas - Bacharelado pela Universidade Federal de Pernambuco (2002), mestrado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010), doutorado em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia.

Renata Soriano de Souza Tavares

Mestra em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2010), especialista em Literatura Brasileira pela Faculdade Frassinetti do Recife- FAFIRE (2006), graduada em licenciatura em Letras pela Faculdade Frassinetti do Recife- FAFIRE (2004). Atua na área de Letras, principalmente nos seguintes temas: Literatura Brasileira, Teoria da Literatura e Língua portuguesa


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1748422629242249

Rosangela Vieira Dornelas Câmara Paes

Escritora.Trabalha na área de Psicologia Clínica e Psicologia do Esporte, Diretora da Empresa RD SPORTS/ Assessoria Esportiva-Recife/PE. Professora do Curso de Psicologia da FACHO-OLINDA/PE e FPS-RECIFE/PE. Professora do Curso de Pós-graduação em Fisioterapia Esportiva pela FACOTTUR. Coordenadora do curso de pós-graduação em Terapia Cognitiva-Comportamental da FACHO/OLINDA. Psicóloga Esportiva da RD SPORTS/Recife-PE. Psicóloga Esportiva da CBPM - Confederação Brasileira de Pentatlo Moderno/ Pernambuco.Possui graduação em Psicologia pela Universidade Catolica de PE (2001); cursou a disciplina de Psicologia do Esporte na Escola Superior de Educação Física (2002), Pós-graduada em Treinamento Desportivo pela UniFMU no Estado de São Paulo (2003) e cursou a disciplina do Mestrado em Psicologia Clínica: Cultura e Subjetividade pela Universidade Católica de Pernambuco (2005). Mestra na área de Ciências da Religião pela UNICAP - PE (2011). Pós-graduação em Terapia Cognitivo-Comportamental na FAFIRE/PE (2013). Tem experiência na área Clínica e na área da Psicologia Esportiva, realizando Intervenções Psicológicas em grupos e atendimentos individuais em atletas de alto rendimento e não atletas. Desde 2001 é consultora na área de Psicologia do Esporte trabalhando em Associações Esportivas, Federações e Clubes no Estado de Pernambuco. Campeã da Liga de Basquete Feminina (LBF) 2012/2013 e Vice Campeã da LBF 2013/2014, 2014/2015 e 2016/2017, fazendo parte da Equipe Multidisciplinar de basquete feminino do Sport Club do Recife, Clube América Recife e Uninassau Recife, como Psicóloga Esportiva.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6442161984494484

Rosevanya Fortunato de Albuquerque

Mestrado em Educação, Culturas e Identidades pela Universidade Federal Rural de Pernambuco/Fundação Joaquim Nabuco (2017) e Especialização em Educação Integral, Cidadania e Inclusão Social pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2010) e em Jornalismo Cultural pela Universidade Católica de Pernambuco (2006). Possui graduação em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (2004) e em Gestão de Recursos Humanos pelo Centro Universitário Maurício de Nassau/UNINASSAU (em andamento). Tem experiência profissional nas áreas de Comunicação (mídias, educomunicação e assessoria) e de Educação, com ênfase em Política Educacional de Educação Integral. Como educadora, foi docente na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e na Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ-MG). Ainda tem experiência como professora de Educação Integral na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e na Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (FACHO). Como formadora, atuou no Programa Conexões de Saberes pelas Universidades Federal e Federal Rural de Pernambuco (UFPE e UFRPE). Possui experiência como pesquisadora de Organismos Internacionais, da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Além disso, tem conhecimento em Facilitação para Grupos de Trabalho e em Comunicação Construtiva e Práticas Restaurativas nas Organizações.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4957752038196176

Sony Cléa de Souza Santos

Possui graduação em Psicologia Clínica pelo Facho - Fac.Ciências Humanas de Olinda(1987), graduação em psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda(1987), especialização em INTERVENSÃO PSICOSSOCIAL JURIDICA pelo Facho - Fac.Ciências Humanas de Olinda(2008), especialização em Administração de Recursos Humanos pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió(1990) e aperfeicoamento em Extensão em Complementação do Magistério Superior pelo Centro Universitário Internacional(2009). Atualmente é Coordenadora de Pós-Graduação do Facho - Fac.Ciências Humanas de Olinda, Docente da FAINTIVISA, Docente Pós-graduação da FAINTIVISA e Psicologa da Consultório.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9237920480285849

Suelany Christtiny Ribeiro Mascena

É doutora em Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Pernambuco, mestre em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Paraíba e graduada em Letras- Inglês pela Fundação de Ensino Superior de Olinda( (FUNESO). Atualmente é Professora do curso de Letras da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda(FACHO), PE. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literaturas africanas em língua portuguesa, atuando nos seguintes temas: literatura infantojuvenil, memória, tradição, oralidade e estudos pós-coloniais. É autora do livro infantil " Os cachinhos de Cecília", é apaixonada por estórias e brincriações vocabulares que perpassam o imaginário brasileiro e o além-mar.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5194660366821010

Tania Maria Toscano Brito

Tem experiência na área de Psicologia Clínica, com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento Humano e Sintomas Patológicos da sociedade atual. Supervisora de Estágio Curricular em Psicologia Clínica na Faculdade de Ciências Humanas de Olinda-Facho há 39 anos. Atividade docente no Projeto Recriar da Clínica Psicológica e na Oficina Pedagógica, com atendimentos a crianças com sintomas de dificuldade escolares e orientações a pais e professores. Experiência como Docente da Educação Infantil à Pós-graduação. Supervisora do projeto Pró-gestar. Atendimentos a crianças e adolescentes de casas de acolhimento e em processo de adoção. Psicóloga Escolar. Psicóloga Clínica com Atendimento a crianças, adolescentes, adultos e idosos em empresas com consultório particular há 39 anos. . Voluntária do Instituto Irma de Castro com atendimentos às famílias da creche mantida por esse Instituto.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5926128090977133

Verônica Chaves Carrazzone

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE (2004); graduada em Psicologia (1996), e em Educação Artística (1987), também pela UFPE; com especialização em Psicologia Escolar (1996) e Clínica Infantil (1998); Terapeuta Comunitária, pela UFCE (2005). Atualmente coordenadora e professora do curso de psicologia da FACHO - Faculdade de Ciências Humanas de Olinda. Tem experiência na área de Psicologia clínica e escolar, consultora na área organizacional, atuou na casa de detenção feminina do Recife a e na unidade de puericultura do hospital das clínicas como terapeuta comunitária. Ministrou curso no Hospital das Clínicas sobre manejo, apoio e incentivo ao aleitamento materno para ACS. Pelo CISAM\UPE ministrou palestra interativa "cuidando de quem cuida" na seção de Educação Continuada. Atuando principalmente nos seguintes temas: Direitos Humanos, relacionamento interpessoal; gênero e sexualidade; liderança; rede de atenção e prevenção ao abuso e violência contra a criança e o adolescente; metodologia de organização social; autonomia e Reforma Agrária. Em Instituições de Ensino Superior lecionou para as turmas de psicologia as disciplinas de introdução à psicologia, Ética profissional, Direitos Humanos, orientação Profissional. Exerceu também a Coordenadora do LAPE ? Laboratório de Apoio Pedagógico, da Faculdade dos Guararapes. Na UFPE participou do Projeto do MEC, Conexão de Saberes. E também na UFPE participou do Projeto de Extensão Diálogos Suape. Na graduação lecionou ainda as disciplinas de Psicologia para as turmas de Ciência da Computação, Administração e Direito, Gestão do Atendimento ao Cliente, Criatividade e Responsabilidade Social; na pós-graduação de Enfermagem do Trabalho, a disciplina Seminário de Integração; na pós-graduação de Turismo Rural, a disciplina Dinâmica Social das Comunidades Rurais; e na pós-graduação de Gestão de Pessoas, a disciplina Gestão de Conflito e Estratégias de Negociação. Ainda na área de Educação, atuou também como professora de arte-educação da 1ª a 8ª séries e coordenou o setor de psicologia. No legislativo Municipal atuou na Primeira Secretaria da Câmara e desenvolve projetos comunitários. Como consultora, participou do Projeto para fortalecimento da Rede Integrada de Atendimento à Criança e ao Adolescente de Camaragibe (financiado pelo BNDES), e no Ministério de Desenvolvimento Agrário foi responsável pelo gerenciamento das Ações da Reforma Agrária em Pernambuco, atuando também como pesquisadora na área de Metodologia de Organização Social. Como psicóloga clínica, atuou como Psicoterapeuta e Ludoterapeuta, desenvolvendo um trabalho integrado com diversos profissionais da área de saúde. Conselheira do CRP 02 gestão 2010-2013, coordenando a comissão de educação; vice-presidente do CRP 02 de 2017-2018, atualmente conselheira coordenadora da comissão de educação e da comissão de especialista; foi vice-presidente da ONG Espaço Família e; atualmente compõe a diretoria da Associação Brasileira do Ensino da Psicologia - ABEP.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4119234507678300

Viviane Villarouco de Andrade Henrique

GRADUADA em Ciências Biológicas (FAFIRE), ESPECIALISTA em Morfologia (UFPE) e MESTRE em Ensino das Ciências (UFRPE). Docente da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (FACHO), com atuação em programas de pós-graduação em Ensino a Distancia (UFPE/CEAD/MEC), É professora da Secretaria de Educação da Prefeitura do Recife e atua na função técnica-pedagógica na Unidade de Tecnologia SE/Prefeitura do Recife. Áreas de concentração: Tecnologia na educação, Ensino de ciências, Ensino a distância, Morfologia humana, Anatomofisiologia.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6261580695210386

Zirlana Menezes Teixeira

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Católica de Pernambuco (2009), graduação em Formação de Psicologo pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (1987), graduação em Lic Psicologia pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (1986) e mestrado em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (2003). Atualmente é professor adjunto da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda na orientação de trabalhos de conclusão de curso, supervisão de estágio em Psicologia Organizacional e docência das disciplinas Psicologia Organizacional, Fundamentos do Humanismo, Fenomenologia e Existencialismo e Fundamentos Filosóficos da Educação. É professora convidada dos cursos de pós-graduação em Gestão de Pessoas na Faculdade de Filosofia de Caruaru e pós-graduação em Psicologia Organizacional. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Trabalho e Organizacional, atuando principalmente nos seguintes temas: organização de trabalho, desenvolvimento humano, saúde mental, adoecimento no trabalho e andragogia.


Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1076648496006092

Eventos

Nossos Eventos

Notícias




Autoconhecimento pode ser chave para o sucesso, segundo psicóloga

Fonte: Administradores - 18/03/2015

Fazer autoanálise não é algo fácil. Afinal, fazer uma reflexão com o intuito de se conhecer mais a fundo não é uma tarefa fácil e rápida de se cumprir, pois o autoconhecimento é um processo 'de toda a vida' e não algo que vem da noite para o dia. No entanto, essa proeza pode abrir um mundo de oportunidades ao nosso redor.

Segundo a consultora e psicóloga Heide Castro, especialista em psicologia organizacional, “Se autoconhecer não é só dizer que se acha bom nisso ou naquilo, mas sim também saber seus limites pessoais. Perguntas fáceis como: 'Qual foi a última vez que me expus? Devo me arriscar? Errei? ou ainda treinamentos específicos da Psicologia Cognitiva - Metacognição que consiste em pensar sobre os meus pensamentos e entender as funções cognitivas Input, Desenvolvimento e output -, Coaching, Terapia, Livros e Teatro, conseguem dar um norte para o que estamos procurando”, explica a psicóloga.

Segundo ela, no início deste processo não devemos dar tanta importância para descobrir de cara a nossa jornada ou a busca, mas sim dar o primeiro passo, visando assim um crescimento desejado. Confira abaixo algumas dicas da especialista Heide Castro para que você se conheça melhor e possa crescer na sua vida profissional:

1) Conversar consigo mesmo, refletir sobre os pensamentos e sentimentos;

2) Não reprimir sentimentos, principalmente os negativos;

3) Seja flexível; aprenda com as dificuldades;

4) Descobrir o que mais o motiva bem como o que desmotiva também;

5) Procure pautar quais foram os seus maiores aprendizados, bem como as suas maiores realizações até o momento;

6) Faça uma lista de desejos do que pretende realizar para curto, médio e longo prazo;

7) Peça um feedback para pessoas próximas em quem se confia para te ajudar a perceber os “pontos cegos” de seu comportamento;

“O autoconhecimento exige uma autoavaliação. É preciso voltar a si mesmo e perceber suas qualidades, seus defeitos, seus limites, o que liga seu sinal de alerta e o que o deixa inseguro. Enfim, abrir as portas para fazer todas as perguntas possíveis e encarar todas as respostas”, conclui a consultora Heide Castro.

Revistas e Artigos




exception 'PDOException' with message 'SQLSTATE[HY000]: General error: 2006 MySQL server has gone away' in /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php:65 Stack trace: #0 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php(65): PDOStatement->execute() #1 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php(76): Database->execute() #2 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/SQL.php(86): Database->resultset() #3 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/cursos.php(430): SQL::query('SELECT * FROM s...', Array) #4 {main}

I JORNIC da FACHO

FACHO -

Desde hoje cedo (9h) a #Facho está sediando o I JORNIC, evento organizado pelo NEPE, núcleo que é coordenado pela Professora Dra. Sura Wanessa. O objetivo principal do Encontro é promover e incentivar a pesquisa e produção científica dos alunos dos diversos cursos da Facho. O evento irá acontecer até às 21h. #pesquisa #jornic


Comemoração ao Dia Internacional da Mulher

FACHO -

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher a FACHO exibiu o documentário: O renascimento do parto, que discute o parto normal e o parto humanizado, mostrando a importância de ter conhecimento sobre o assunto que vai além de uma simples escolha. Após a exibição do documentário houve um debate com a participação das professoras Joelma Gomes, Mercia Melo, Flavia Lavra, Maria Ângela, Renata de Miranda, Norma Pinheiro, Ana Paula e a Diretora Geral Ana Cristina, no qual foram tiradas dúvidas sobre o tema. À noite houve uma palestra com o tema: Mulheres no mercado de trabalho e na política com a participação da Professora Sirlene Costa e da Deputada Estadual e Advogada Laura Gomes.


Curso de Extensão: Instrumental Técnico Para a Intervenção do Psicólogo na Justiça

FACHO -

Instrumental Técnico Para a Intervenção do Psicólogo na Justiça.

Carga horária: 8 horas.
Duração do curso: Sábado, 11/02/2017, das 08h00 às 17h00.
Investimento: Profissionais R$ 70,00; Aluno e Ex-aluno da Facho R$ 50,00; Estudante externo R$ 60,00.

Docente: Psicóloga Sandra Barreiros (Diretora Técnica do CEPPA).

Informações: 3429-4100, ramal 229.


Descubra se você é uma pessoa infeliz no seu trabalho

Mundo Tecnologico -

Todo mundo procura um emprego dos sonhos não é mesmo? Aquele emprego que você chega dando bom dia para todo mundo, faz várias gentilezas as 7:00 da manhã, chega no escritório abraçando o seu gerente, afinal você ama o que faz, a empresa é boa com você, te reconhece e você se sente amado por toda a organização.

Mas as vezes isso não acontece, o emprego dos sonhos não é para todos, aliás tem emprego dos sonhos? mas dá para perceber se você está feliz ou infeliz com a sua atual profissão não é mesmo? por isso nós do Mundo Conectado separados 5 indícios que poderá dizer se você está infeliz com o seu trabalho:

1- Tudo irrita!

Você já passou por aquele momento em que você chega em casa e seu esposo quer te dar um “Oi querida” e você logo se irrita com ele? ou não pode ouvir o barulho que seu cachorro está fazendo? ou não suporta ninguém falando com você? Cuidado, muito estresse após o trabalho pode indicar que você já está de saco cheio.

2- Não quero ir!

Se essa é a frase que você solta ao acordar todos os dias da semana, é sinal que estar no seu trabalho não está sendo tão legal assim. Acordar cedo é doloroso e um sacrifício para você que não gosta do que faz, não é mesmo?!

3- Você não se esforça tanto quanto antes

Se você não se esforça como antes, pode ser um indício que já enjoou do que faz, não ligando tanto com os resultados positivos que podem surgir com seu esforço, ou seja, talvez você já esteja cansado e fazendo tudo no automático com AQUELE humor.

4- Não sente orgulho de falar sobre a profissão

Chegou o final de semana e os amigos se reúnem para conversar, comer, beber e aí um deles perguntam como é trabalhar com o que você trabalha e sua reação é: “Não quero falar sobre isso, não aguento mais fazer o que faço”.

5- Desânimo

De repente você começa ficar mais tempo em casa, não quer sair mais, fica triste e sua família acha que você está passando por algum problema com namorado, com amigos, mas não! é por causa do trabalho que você não ama mais. É possível que a infelicidade no trabalho afete o seu bem estar emocional.


12 sinais de que você pode estar sofrendo da Síndrome de Burnout

Administradores -

Também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, ela tem nos workaholics suas vítimas potenciais.

Nestes tempos bicudos, num país que se fosse filme teria como título “Hell in Paradise”, acho interessante falar de um risco que se torna cada vez mais presente na vida dos administradores: a Síndrome de Burnout. Numa tradução livre, seria “Fritou!”.

Também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, ela tem nos workaholics suas vítimas potenciais, pois, pela literatura, essas pessoas têm como característica o “desejo de serem as melhores e sempre demonstrar alto grau de desempenho” e também “medem a autoestima pela capacidade de realização e sucesso profissional”.

Em minha experiência clínica, a maioria das pessoas com esse perfil teve um pai exigente e com dificuldade de expressar afeto, o que cria na criança a ilusão de que o afeto paterno virá com grande produção ou resultados. Claro que não existe um número mágico nem na produtividade nem nos ganhos que faça, a partir dali, a pessoa se sentir suprida afetivamente. Isso só pode acontecer quando temos prazer no que fazemos. Tem que ser divertido!

Mas o que acontece com nosso personagem? O que no início é satisfação e prazer termina quando o reconhecimento por esse desempenho não vem ou não é sentido (pois baseia-se em uma ilusão!). Nesse momento, ou a pessoa se conscientiza ou, mais comumente, pensa que ainda não fez o suficiente e entra numa fase de obstinação e compulsão, em um processo sempre crescente e que acaba envolvendo e afetando também suas relações pessoais e familiares.

Já disse para muito paciente nesse estágio que querer seguir na neurose é uma escolha dele, mas querer que seus pares, subordinados ou filhos entrem no jogo não é possível – nem justo. Nas empresas de ponta, onde se busca a cooperação e o trabalho em equipe, ter um membro ou, pior, um líder nesse processo não deve ajudar em nada na execução dos objetivos.

No final, a pessoa passa a sofrer problemas de ordem psicológica, forte desgaste físico, gerando fadiga e exaustão, o que o tira do jogo temporária ou permanentemente.

Conclusão? No meu primeiro artigo, falei da nossa Análise SWOT interna, feita pelo nosso filtro cognitivo, como processo de avaliar as ameaças e oportunidades que a vida nos proporciona. As questões emocionais podem gerar erros na nossa SWOT, como esses que resultam na Síndrome de Burnout, que por sua vez pode acabar com uma carreira espetacular. Como recomendado pela psicologia, todos os profissionais precisam de supervisão e estar abertos para ouvir. Se você acredita que corre esse risco, pelo menos faça uma autoavaliação, busque um amigo em quem confia e permita que ele lhe diga a verdade. Ouça e reflita atentamente. Você pode e deve virar esse jogo.

Abaixo, para os interessados, uma lista da evolução e sintomas da Síndrome de Burnout:

1 - Necessidade de se afirmar ou provar ser sempre capaz;

2 - Dedicação intensificada, com predominância da necessidade de fazer tudo sozinho e a qualquer hora do dia (imediatismo);

3 - Descaso com as necessidades pessoais – atividades como comer, dormir, sair com os amigos começam a perder o sentido;

4 - Recalque de conflitos – o portador percebe que algo não vai bem, mas não enfrenta o problema. É quando ocorrem as manifestações físicas;

5 - Reinterpretação dos valores – isolamento, fuga dos conflitos. O que antes tinha valor sofre desvalorização: lazer, casa, amigos, e a única medida da autoestima é o trabalho;

6 - Negação do outro – nessa fase os outros são completamente desvalorizados, tidos como incapazes ou com desempenho abaixo do seu. Os contatos sociais são repelidos, cinismo e agressão são os sinais mais evidentes;

7 - Recolhimento e aversão a reuniões (antissocialização);

8 - Mudanças evidentes de comportamento (dificuldade de aceitar certas brincadeiras com bom senso e bom humor);

9 - Despersonalização – evitar o diálogo e dar prioridade aos e-mails, mensagens, recados etc.;

10 - Vazio interior e sensação de que tudo é complicado, difícil e desgastante;

11 - Depressão – marcas de indiferença, desesperança, exaustão. A vida perde o sentido;

12 - E, finalmente, a do esgotamento profissional propriamente dito, que corresponde ao colapso físico e mental. Esse estágio é considerado de emergência e a ajuda médica e psicológica uma urgência, com sintomas variados: fortes dores de cabeça, tonturas, tremores, muita falta de ar, oscilações de humor, distúrbios do sono, dificuldade de concentração e problemas digestivos.


Como permanecer calmo sob pressão

Administradores -

Erros e pressão são inevitáveis; o segredo de vencer ambos é permanecer calmo e um novo estudo da Harvard mostra que a maioria de nós tentamos ficar calmos da maneira errada.

Muitos de nós passamos por aquele momento em que percebemos que um grande erro foi cometido. Pode ter sido um erro de digitação que derrubou todo um relatório, ou então você esqueceu de anotar o horário de uma importante reunião. Os detalhes são diferentes para todos, mas em algum ponto, cada um de nós sentiu a chegada de uma tsunami de medo e pânico.

Erros e pressão são inevitáveis; o segredo para vencer ambos é permanecer calmo.

Um novo estudo da Harvard mostra que a maioria de nós tentamos ficar calmos da maneira errada. Pessoas que abraçam o desafio de uma crise - ultrapassar a dificuldade as anima - se saem muito melhor do que aquelas que se forçam a permanecerem calmas.

"As pessoas têm um enorme impulso de que tentar ficar calmo é a melhor maneira de lidar com ansiedade, mas isso pode ser não só difícil, mas inefetivo", disse o responsável pelo estudo, Allison Wood Brook. "Quando as pessoas se sentem ansiosas e tentam se acalmar, elas estão pensando no que poderia dar errado. Quando elas ficam animadas, elas estão pensando nas coisas que podem dar certo".

Permanecer composto, focado e efetivo sob pressão é algo mental. Aqueles que dominam uma crise, são capazes de canalizar suas emoções para o comportamento que desejam. Em outras palavras, elas transformam ansiedade em energia.

E isso não acontece se você não se apegar à lógica. Sim, cometer um erro é constrangedor. Seu chefe pode gritar com você e o erro pode até entrar no próximo relatório sobre você, mas, provavelmente, não vai te fazer ser demitido, perder sua casa, morar no seu carro ou qualquer outra catástrofe que possa pensar para alimentar a ansiedade e te afastar do foco real.

Se você tem dificuldade em colocar as coisas em perspectiva, apenas pergunte-se as seguintes questões: qual a pior coisa que pode acontecer como resultado disso? Isso vai importar em cinco anos? Suas respostas devem te levar a um pensamento cataclísmico. Você provavelmente perceberá que o pânico é motivado por antecipação de passar vergonha em público mais que qualquer outra coisa. E assim que superar isso, é possível construir confiança recolhendo os cacos da bagunça e realmente tentando fazer as coisas melhores.

Para colocar as coisas em perspectiva, pense nas situações que foram piores que a que você se encontra agora. É bem provável que existam pessoas na sua empresa cometeram erros graves e ainda estão lá, bem. Esses erros lendários geralmente têm pouco efeito em longo prazo em bons empregados. Lembre-se sempre: "Tem mais para mim do que essa situação. Um erro não vai me definir".

Depois, você precisa reconhecer que as pessoas são menos focadas em você do que imagina. É fácil pensar que se é o centro do turbilhão. Você está envergonhado e preocupado com seu emprego. Quanto mais você se sente julgado por outros, mas intensa se torna sua ansiedade. Mas seu chefe, e todos seus colegas, vão passar bem menos tempo se preocupando com você do que tentando melhorar uma situação difícil, que é o que você deveria estar tentando fazer! É necessário perceber que eles não terão muito tempo para pensar nisso até depois de a poeira ter baixado, e até lá, você terá feito parte da solução.

Agora é a hora de expandir a lógica. Nada ajuda a manter o foco durante uma crise do que o pensamento lógico. Assim que você se preveniu do pânico, é hora de perguntar a si mesmo as questões importantes: o que realmente aconteceu? Quais as possíveis repercussões? Ainda existe tempo de evitar essas repercussões? Se sim, como? Quem precisa estar envolvido? Se for tarde demais para evitá-las, o que pode ser feito para diminuir o dano? Mas não deixe sua mente ficar pensando em autoacusações ridículas.

Finalmente, aja. Depois de descobrir os fatos e quebrar a cabeça, é hora de tomar as rédeas da situação. Trabalhar duro para tentar limpar a sujeira só vai dar mais força ao seu sentimento de pavor; depositar sua energia em tentar fazer as coisas melhores não só vai te dar mais forças, como também vai te ajudar a se distrair de qualquer sensação de ansiedade. Lembre-se, estar animado pelos desafios de voltar das cinzas irá melhorar sua performance drasticamente.

Para manter as coisas funcionando, não seja tão duro com você. Ninguém é perfeito. Até as pessoas mais bem sucedidas cometem grandes erros. A primeira empresa de Henry Ford faliu em 18 meses, Oprah Winfrey teve que ouvir que não servia para televisão e Walt Disney foi demitido da Kansas City Star por falta de criatividade. Se por para baixo pode ser tentador, mas não leva a lugar algum e com certeza não te fará mais calmo. No lugar disso, mantenha sua energia focada no futuro e nas coisas que você quer mudar.

Juntando tudo

A habilidade de gerenciar suas emoções e permanecer calmo sob pressão está diretamente ligada à sua performance. Em uma pesquisa da TalentSmart com mais de um milhão de pessoas, foi descoberto que 90% dos melhores funcionários são ótimos em controlar suas emoções em tempos de estresse, assim, permanecendo calmos e no controle.

Ninguém gosta de cometer erros. Mas não importa quão grande o erro é, sucumbir ao pânico não irá ajudar. Deixar os pensamentos ruins assumirem diminuem sua habilidade de tomar boas decisões e de seguir em frente de forma efetiva. Ao invés disso, use essas estratégias para permanecer calmo e assim pensar sobre a situação, desenvolver um plano e se ocupar em fazer as coisas da maneira correta, para assim, continuar.


Teste identifica 'melhor maneira' de combater perda de memória

BBC -

Pergunte quais são as maiores preocupações de qualquer pessoa com mais de 40 anos e uma das respostas mais comuns certamente será o medo de perder a memória.

Há algumas maneiras mais conhecidas de manter a saúde do cérebro – não fumar, manter-se dentro do peso ideal ou não desenvolver diabetes do tipo 2.

Mas pode-se fazer algo para realmente melhorar o cérebro? Pesquisadores britânicos desenvolveram um teste para tentar descobrir.

Para esse teste, feito em parceria com a Universidade de Newcastle, na Inglaterra, foram recrutados 30 voluntários. Eles foram submetidos a diversos exames que analisaram memória, habilidade de resolver problemas e velocidade de reação.

Todos receberam um monitor de atividade, que mediu o quanto e quando eles se moviam. Em seguida, os voluntários foram separados aleatoriamente em três grupos. Cada grupo recebeu uma atividade diferente, que deveria ser feita durante oito semanas.

A tarefa para um dos grupos era simplesmente andar rapidamente, a ponto de ficar quase sem ar, durante três horas por semana. A ideia é que a caminhada – ou qualquer forma de exercício vigoroso – mantém o cérebro alimentado com sangue rico em oxigênio.

Mas a tarefa não agradou a todos. "Caminhar é a atividade que eu menos gosto", disse Ann, uma das participantes.

O segundo grupo teve que fazer jogos, como palavras cruzadas ou Sudoku, também por três horas por semana. A justificativa é que o cérebro se beneficia dos desafios.

Finalmente, o terceiro grupo teve que observar um homem nu por três horas a cada semana. Mais precisamente, tiveram que participar de uma aula de arte que também envolvia desenhar um modelo, Steve.
Quem se beneficiou mais?

No final do experimento, quase todos no primeiro grupo relataram uma grande melhoria em seu condicionamento físico – quão fácil passou a ser uma subida, por exemplo.

No segundo, os voluntários acharam os desafios difíceis no início, mas no final já estavam trocando dicas de Sudoku.

Mas o grupo mais entusiasmado foi, sem dúvida, o de arte. Embora alguns tenham achado difícil assistir à aula uma vez por semana, todos eles comentaram sobre o quanto gostaram.

"Eu me tornei uma desenhista compulsiva de tudo", disse Simone. "Eu até sai para comprar alguns lápis pastel e até mesmo um livro sobre 'Como (desenhar)'."

Mas qual dos grupos teve mais melhorias em relação ao poder do cérebro?

Cientistas refizeram a bateria de testes cognitivos e os resultados foram bem claros. Todos os grupos tinham terminado a experiência um pouco melhor, mas o de maior destaque era o que tinha assistido à aula de arte.

Mas por que ir a uma aula de arte pode fazer a diferença para coisas como a memória?
Novo aprendizado

O psicólogo clínico Daniel Collerton, um dos especialistas que participou do estudo, disse que parte do benefício veio de aprender uma nova habilidade.

"Aprender algo novo", diz, "envolve o cérebro de maneiras que parecem ser a chave. O seu cérebro muda em resposta a isso, não importa quantos anos você tenha".

Aprender a desenhar não era apenas um novo desafio para o grupo, mas, ao contrário das palavras cruzadas e do Sudoku, também envolvia o desenvolvimento de habilidades psicomotoras.

Capturar uma imagem no papel não é apenas intelectualmente exigente: envolve aprender a fazer os músculos na mão guiarem o lápis ou o pincel nas direções corretas.

Um benefício adicional é que ir à aula de arte significava que durante três horas semanais eles tiveram que ficar em pé enquanto desenhavam ou pintavam.

Ficar de pé por longos períodos é uma boa maneira de queimar calorias e de manter o coração em boa forma.

A aula de arte também foi a mais ativa socialmente, outra coisa importante a ser levada em conta para manter o cérebro afiado. Este grupo reuniu-se regularmente fora das aulas e trocou e-mails.

Tudo isso fez com que o grupo da arte tivesse um benefício triplo. E uma das voluntárias, Lynn, disse que aprender a desenhar também havia produzido outros benefícios inesperados.

"Parte do meu trabalho envolve escrever e propor ideias, o que é um processo difícil e demorado", diz.

"Eu sou disléxica, o que é um obstáculo adicional, mas, após fazer a aula de arte, descobri que a minha escrita agora flui e minha capacidade de concentração melhorou. Parece que abri minha mente. Não tenho certeza se consigo explicar, só sei que fez a diferença."

O mais provável, segundo os pesquisadores, é que qualquer atividade de grupo que envolva ser ativo e aprender uma nova habilidade ajude a impulsionar o funcionamento do cérebro.


Descobertos genes que ajudam a comprovar que depressão é hereditária

Enfermagem e Saúde -

Uma nova pesquisa descobriu duas mutações em genes que estão associadas com a depressão. Essa descoberta é importante porque ajuda a comprovar que a depressão pode ser hereditária.

O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, em parceria com estudiosos da Universidade da Virginia, nos Estados Unidos, e da China. Para chegar às descobertas os especialistas analisaram o DNA de 10.500 mulheres chinesas.
Os pesquisadores acreditam que a descoberta pode levar à criação de um novo medicamento para o tratamento da depressão. Cerca de 10% da população sofrerá com a doença em algum momento da vida.

A seguir saiba quais os sete sinais da depressão:

Dormir pouco

"A falta do sono é um dos gatilhos para o aparecimento da depressão", afirma o psiquiatra Ricardo Alberto Moreno, professor doutor do Instituto de Psiquiatria da USP. Segundo o especialista, o organismo é regido pelo claro e escuro, ou seja, dia e noite. Assim, do ponto de vista biológico, você está programado para a realização de atividades no período diurno e para o repouso no período noturno. "Inverter essa ordem ou reduzir o tempo que deveria ser destinado ao sono provoca desequilíbrios físicos e psicológicos", diz.
Enquanto dorme, o seu corpo libera hormônios, a atividade cerebral sofre alterações e a temperatura varia para permitir um bom desempenho das tarefas ao acordar. Interromper esse ciclo, portanto, pode afetar o metabolismo como um todo e servir de gatilho à depressão. O cuidado especial deve ficar por conta dos mais jovens. "Com uma rotina tão agitada e diante de tantos estímulos, como celular, computador e televisão, o sono tem sido deixado em segundo plano", diz o especialista.

Insônia

Além de favorecer a depressão por privar o corpo do tempo de descanso necessário para a realização de diversos processos fisiológicos, a insônia por si só está ligada a problemas orgânicos ou psíquicos. "As duas principais causas da dificuldade de pegar no sono são produção inadequada de serotonina, substância química que permite a transmissão de informações entre os neurônios, e estresse", diz o psiquiatra Ricardo.
A psiquiatra Eutímia Brandão de Almeida Prado, do Hospital Universitário de Brasília, complementa dizendo ainda que a insônia também é um dos critérios para o diagnóstico da depressão. "As alterações neuroendócrinas que o paciente sofre geralmente afetam sua capacidade de dormir", afirma. O resultado, segundo ela, é um agravamento das alterações de humor.

Sofrimento antecipado

"Sofrer por antecipação pode precipitar um quadro de depressão", afirma a especialista Eutímia. Momentos de ansiedade e de estresse não são restritos a uma ou outra pessoa, mas passar por isso com frequência e cultivar pensamentos pessimistas sobre o futuro pode favorecer o desenvolvimento da doença. Pessoas com essa característica costumam ser insatisfeitas e nem sempre aproveitam plenamente ocasiões de prazer. Enquanto em alguns casos o sofrimento antecipado é decorrente da necessidade de controle sobre o que acontece, típico traço de uma personalidade insegura, em outros ele se torna paralisante, concretizando um problema.

Perda de apetite

Comer não é apenas uma forma de repor as energias perdidas ao longo do dia. "O hábito também está associado à sensação de prazer proporcionada pelo sabor e pela temperatura dos alimentos", afirma o psiquiatra Ricardo. Quem começa a entrar em um quadro depressivo, entretanto, deixa de sentir esse prazer, o que afeta diretamente seu apetite. De acordo com o especialista, são raros os casos em que o paciente passa a sentir mais fome já que a comida não ameniza sua insatisfação.
A psiquiatra Eutímia afirma que isso faz parte de um quatro de anedonia ou incapacidade de sentir prazer. "A perda de apetite é um traço característico, mas a pessoa em depressão não se sente motivada a fazer nada daquilo que fazia anteriormente", explica.

Perfeccionismo

Querer as coisas do seu jeito e se apegar aos detalhes mais singelos pode não ser problema, mas quando se torna uma compulsão ou obsessão, pode favorecer a depressão. "Uma pessoa escrava do perfeccionismo sofre quando seu planejamento não dá certo ou não fica, no mínimo, de acordo com o esperado", afirma o psiquiatra Ricardo. Segundo ele, a constante frustração de quem estabelece metas mais altas do que pode alcançar não é saudável. "Seja criterioso com o que faz e veja o fracasso como um aprendizado, e não como um problema".

Variação de humor

"Todos os transtornos depressivos são caracterizados por variações de humor", diz a psiquiatra Eutímia. Na maior parte dos casos, o indivíduo permanece em um estado de tristeza constante, mas, no caso da depressão bipolar, há oscilações entre estados de tristeza e euforia. O diagnóstico de depressão ganha força quando as variações se tornam persistentes e duram mais de 15 dias.
Segundo ela, apenas em uma consulta com um profissional é possível definir se as alterações de humor são normais ou se tornaram uma patologia. "Todos sofremos mudanças de humor ao longo do dia, mas quando isso começa a se tornar um fator limitante, ou seja, começa a impedir a realização das tarefas rotineiras, então o quadro precisa de tratamento", afirma.

Solidão

"A solidão se torna um problema quando repercute no desenvolvimento social ou profissional", afirma a psiquiatra Eutímia. Segundo a especialista, algumas pessoas gostam de ficar sozinhas e conseguem tornar esse momento produtivo, o que não caracteriza problema algum. O quadro muda apenas quando você evita situações por precisar interagir ou achar que a segurança do isolamento é sempre melhor do que a insegurança que ele pode sentir no meio social. O comportamento é uma armadilha para a depressão e precisa de tratamento.


1º Congresso Internacional de Psicomotricidade da Rede Latino-Americana de Universidades com Formação em Psicomotricidade

- -


Em outubro, acontece o 1º Congresso Internacional de Psicomotricidade da Rede Latino-Americana de Universidades com Formação em Psicomotricidade - Rede Fortaleza. Contamos com o apoio de vocês para construir esse importante evento para a Psicomotricidade.

A FACHO estará presente no evento, representada pelo Prof. Nivaldo Torres, que abordará o tema: Clinica psicomotora relacional e o autismo: As bases para a intervenção do Psicomotricista.

TEMA DO CONGRESSO

PERSPECTIVAS ACADÊMICAS E PROFISSIONAIS DA PSICOMOTRICIDADE NA CONTEMPORANEIDADE

OBJETIVO

Promover o encontro entre profissionais e acadêmicos da América Latina e Europa, realizando um intercâmbio sobre o trabalho interdisciplinar na Psicomotricidade, seus saberes e práticas atuantes nos campos da saúde e educação, criando, dessa forma, um espaço de aprendizado e reflexão sobre o campo psicomotor.

PERÍODO:

DE 01 A 03 DE OUTUBRO DE 2015

LOCAL:

Universidade do Parlamento Cearense – UNIPACE
Av. Des. Moreira, 2.807, Ed. Dep. J. Euclides Ferreira Gomes
FORTALEZA, CEARÁ – BRASIL

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES NO SITE: http://congressored.com.br/

E-MAIL: congressored@oficinadeeventosnet.com.br
COMISSÃO CIENTÍFICA:
Juan Mila Demarchi - UY
Dayse Campos - CE
Ceres Fassarela Carneiro – CE
Karla Suziane de A. D. Vieira - CE
Genivaldo Macário – CE
Neide Fernandes Veras - CE
Suzana Cabral - MG
Rita Thompson - RJ
Eduardo Costa - RJ
Cacilda Velasco - SP
Pablo Bottini – AG
Miguel Sassano – AG


Seletividade: aspecto relevante na organização psíquica

Fonte: Portal Educação -

Em algum momento da vida adulta, sentimos o desejo de sermos novamente crianças. Entre alguns motivos, um bastante comum, seria o sentimento de proteção extrema, anulando assim qualquer possibilidade de risco iminente. De modo geral, quando íamos dormir, ou quando andávamos de carro com nossos pais, ou ainda quando atravessávamos a rua de mãos dadas com eles, havia uma sensação de conforto e segurança estabelecida.

Porém, essa sensação plena, que a priori parecia eterna, veio sendo arrancada de nós, na medida em que fomos crescendo. E agora, como adultos, o conforto e a segurança se tornaram constantemente ameaçados. Com isso, a vida tornou-se uma corrida quase insistente por vivenciar plenamente tais sensações. Sendo que qualquer coisa, pessoa ou situação pode nos causar desconforto e insegurança.

Estava assistindo a um documentário, que entrevistava pessoas com deficiência visual [desde miopia até cegueira total]. Um dos depoentes relatava que aos 30 anos de idade resolveu usar lentes de contato, entretanto não conseguiu permanecer com elas. O fato se deu, porque seu campo de visão tornou-se extremamente vasto, ou seja, tudo era percebido por ele. Na continuação de seu relato, já com a voz embargada, o entrevistado disse que sentia falta dos óculos, pois esse restringia seu campo de visão, dando-lhe a oportunidade de ser seletivo.

Sendo assim, entendo que SELETIVIDADE seria não apenas um princípio norteador para fins jurídicos, alimentares ou políticos, mas também para uma organização psíquica e emocional do ser humano. Porém, acredito que ser seletivo não seja resposta para todas as questões, ou seja, perceber e escolher coisas aparentemente estimulantes e seguras, não será o suficiente para evitar a sensação de desconforto e insegurança ao longo da vida.

Talvez, porque tudo que olhamos esteja mediado por nossas ideias, conceitos e valores construídos a partir de cada uma das nossas vivências. Ou ainda, porque ao vermos as coisas/situações fora do contexto, às tomamos como verdadeiras, sendo nós inevitavelmente atingidos pela imagem.


Comportamento Humano: Medo de falar em público!

Fonte: Portal Educação -

Você já deve ter se perguntado porque sente medo de falar em público, mas nunca compreendeu o porquê.


Diante da realidade, fica evidente que falar em público é um sentimento temido e vivenciado por várias pessoas, principalmente, as que estão em contanto constante ou quase que diariamente com o público, por ter que se submeter a tal exposição, devido ao cargo que ocupa em determinada organização, ou mesmo pela profissão escolhida de orador, professor, ator, entre várias outras que diretamente ou indiretamente estão interligadas com uma plateia. Falar em público tem um propósito importante para a vida das pessoas, na qual constantemente ou em algum momento da vida passaram por tal necessidade. O medo faz parte da rotina da maioria das pessoas, mas sentir esse medo todos os dias, além de desgastante se torna exaustivo.


Esse medo nasce conosco, e se torna evidente logo nos primeiros contatos, que se inicia normalmente na escola, sendo o (a) professor (a) e colegas de turma, e esse contato com o público são nas apresentações escolares que fazem parte do dia a dia do estudante. Com o passar dos anos esse público torna-se diferente, sãos os colegas de trabalho, grupo de amigos, chefes, ou uma simples reunião.


O medo de falar em público é o medo mais temido entre as pessoas, isso se dá por alguns motivos: falta de preparação de material e do profissional, falta de experiência, fala de assunto, entre outros motivos, considero o principal deles “sair da zona de conforto”, isso mesmo, zona de conforto, quando estamos diante de uma plateia ficamos desorientados, para tanto, existem técnicas e habilidades a serem adotadas e praticadas, como mecanismo de autodefesa, controlando e equilibrando essa dificuldade, vejamos algumas dicas para uma boa apresentação:

1º passo: identificar o real motivo e o principal objetivo da apresentação. Exemplos de objetivos: vender, educar, motivar, informar e etc. A importância de identificarmos o objetivo principal, é para conduzirmos o material a ser desenvolvido para apresentação, seguindo linguagens e termos técnicos de acordo com o objetivo.

2º passo: identificar o público para qual irá falar, além de ajudar na preparação do material, ajudará também, para você se preparar psicologicamente, para a exposição a determinado público. Os aspectos analisados têm como importância, o nível do palavreado a ser utilizado, técnicas de ensinamento e transmissão do conteúdo. Exemplos de aspectos a serem observados: idade, nível de conhecimento/escolaridade, sexo, renda e etc. Essas informações podem ser alcançadas pelos organizadores do evento, por outros palestrantes entre outras fontes.

3º passo: desenvolver um plano de apresentação, na qual sua importância é relatar todo tipo de material que você irá precisar. Esses tipos de materiais na maioria das vezes devem ser solicitados e separados com antecedência. Exemplos: materiais audiovisuais (slides, data show, microfone, notebook...), materiais impressos (folhetos, dinâmicas, anotações...), tempo, intervalos, objetivos a serem alcançados e etc.


Gerenciar as emoções com positividade

Fonte: Escola Psicologia -

Quanto maior for o nosso conhecimento, tanto ao nível do funcionamento das emoções e sentimentos no organismo, como do impacto que isso tem nos nossos pensamentos e atitudes, mais rapidamente conseguiremos aplicar nas nossas vidas os enormes benefícios de uma mentalidade impregnada de positividade. Saber gerenciar as emoções em consciência e com positividade é uma vantagem para a vida. Assim que você aprender a expressar as suas emoções através do filtro da positividade e consciência, isso irá promover o seu bem-estar. Eu vou brindá-lo com a informação contida na fórmula da positividade. Assim que você aprender a expressar as suas emoções através do filtro da positividade e consciência, isso irá promover o seu bem-estar e felicidade.

Saber gerenciar as emoções em consciência

Os maus hábitos, vícios comportamentais desajustados, maldade, impulsos negativos surgem de uma subversão da aprendizagem em que desde cedo aprendemos a esconder os nossos impulsos e desejos, reprimindo as emoções e aquilo que sentimos, usualmente porque somos repreendidos pelos educadores, professores e sociedade de uma forma distorcida.

A população mundial, de uma forma geral está em sofrimento porque não tem olhado para o essencial. Tem-se focado no desenvolvimento de condições exteriores, as quais são necessárias, mas sem investir no desenvolvimento das condições interiores para a felicidade e realização pessoal de cada um de nós. Temos de dar um salto da consciência. Temos de olhar de frente para nós mesmos e perceber que existe uma possibilidade mais brilhante para cada um de nós. Temos de fazer emergir a positividade. Temos de aprender a entender as nossas emoções negativas, para não ficarmos prisioneiros, amedrontados ou controlados pelos seus impulsos, e para isso é necessário treinamento.


Aluna da FACHO no Congresso Internacional

FACHO -

A aluna Glauce Torres do Curso de Psicologia apresentou, no Congresso Internacional de Tecnologia da Educação, na manhã de hoje trabalho desenvolvido no Núcleo de Estudos e Pesquisas da FACHO e orientado pela Professora Ana Cristina Fonsêca.

O trabalho intitulado "O professor e a transferência: quem educa marca o outro" foi desenvolvido pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Paulo Rosas, a partir de projeto de iniciação científica apoiado pela FACHO.


Semana da Psicologia Recife

FACHO -

Prezada(o) Psicóloga(o)

O XIV Plenário convida para os eventos comemorativos do Dia da(o) Psicóloga(o) em nosso Conselho. Este ano, as ações foram descentralizadas, de forma a garantir a participação de toda a categoria. Com momentos em Recife, Caruaru, Garanhuns e Petrolina, discutiremos assuntos em pauta na nossa profissão como a laicidade na Psicologia e o trabalho da(o) psicóloga(o) com deficiência.
Vamos reafirmar o importante papel da categoria na nossa sociedade e o compromisso social de nossa ciência.

Participe! Divulgue junto conosco.


Psicologia estuda relação entre sucesso em Copa e felicidade

Fonte: Revista Exame -

A relação entre o sucesso ou o fracasso das seleções que vão disputar a Copa do Mundo e a felicidade da população será conhecida após o torneio graças a um estudo psicológico elaborado em vários países.

O estudo vai analisar o impacto emocional que, tanto em nível individual como em grupo, será gerado pelas insatisfações e as alegrias do Mundial tanto entre os torcedores como entre quem não gosta de futebol', afirmou à Agência Efe a professora da Universidade de Valência e uma das diretoras do projeto, Rosa Baños.

O estudo será completado com a coleta de informações sobre as expectativas geradas pela Copa, sobre o que os torcedores sentem antes e depois das partidas e sobre as sensações que ficarão no final.

Trata-se de um projeto elaborado pelas universidades de Valência e a Universidade Jaume I, de Castellón, com a colaboração da Universidade Pompeu i Fabra, de Barcelona, e sob a coordenação de pesquisadoras argentinas e chilenas.

Mais de mil pessoas começaram a colaborar com opiniões na Espanha e em muitos lugares das Américas, assim como também em França, Itália e Camarões.

Segundo a primeira parte do estudo, metade dos argentinos consultados se sentirá 'extremamente feliz' se sua seleção ganhar, porcentagem que diminui entre espanhóis e brasileiros.

Os torcedores chilenos serão os mais felizes se forem campeões, mas junto com os mexicanos também serão os mais surpreendidos se isso acontecer. Já a surpresa e a sensação de tristeza por não ganhar se destaca entre os argentinos.

Baños explicou que os impactos positivos ou negativos de um resultado esportivo condicionam o estado de ânimo das pessoas e lembrou os momentos vividos recentemente na Espanha por Real Madrid, Atlético de Madrid, Barcelona, Sevilla e Valencia.

'Após um resultado positivo, podemos até nos esquecer da crise econômica e até gastar mais', declarou.

'Nos interessa conhecer o efeito dessas expectativas sobre nosso bem-estar', acrescentou, após indicar que poderá ser comprovado 'se as derrotas duram mais tempo que as vitórias no estado de ânimo'.

Para destacar o papel que os aspectos emocionais têm no futebol, ela lembrou que está provado que as equipes ganham com mais facilidade como anfitriãs, entre outros motivos, pela influência emocional positiva dos tprcedores.

O estudo também analisa o estado de ânimo dos não interessados pelo futebol. 'Às vezes, após uma vitória, até eles vão às ruas para festejá-la', indicou.

Na pesquisa também serão conhecidas questões tribais, de cabala ou ligadas a superstição que pessoas de qualquer nível intelectual podem desenvolver.

Os pesquisadores acreditam que, na Argentina, como consequência do tempo transcorrido desde o último título, pode haver mais ansiedade pelo título do que na Espanha, onde a satisfação do último torneio é recente, enquanto no Brasil as expectativas são máximas.

Junto com Rosa Baños, completam a equipe de trabalho a catedrática Cristina Botella, junto com Ernestina Etchemendy, Guadalupe Molinari, Rocío Herrero (Argentina) e Macarena Espinoza (Chile), que recebem no site https://es.surveymonkey.es.com/s/mundial2014 as respostas de todos os interessados em participar do programa. EFE


Galerias

Confira a nossa galeria de eventos


Fatal error: Uncaught exception 'PDOException' with message 'exception 'PDOException' with message 'SQLSTATE[HY000]: General error: 2006 MySQL server has gone away' in /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php:65 Stack trace: #0 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php(65): PDOStatement->execute() #1 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php(76): Database->execute() #2 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/SQL.php(86): Database->resultset() #3 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/cursos.php(498): SQL::query('SELECT* FROM si...') #4 {main}' in /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php:67 Stack trace: #0 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php(76): Database->execute() #1 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/SQL.php(86): Database->resultset() #2 /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/cursos.php(498): SQL::query('SELECT* FROM si...') #3 {main} thrown in /home/storage/1/5f/05/facho/public_html/includes/Database.php on line 67